Geração e consumo de energia sobem em junho

Julho terá bandeira tarifária amarela
5 de julho de 2017
Cenário para PCHs melhora, mas ainda há barreiras para sua expansão
5 de julho de 2017
Mostrar tudo

Geração e consumo de energia sobem em junho

Dados preliminares de medição coletados de 1º a 27 de junho apontam aumento na geração e no consumo de energia no País, de 0,5% e 0,2%, respectivamente, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Dados preliminares de medição coletados de 1º a 27 de junho apontam aumento na geração e no consumo de energia no País, de 0,5% e 0,2%, respectivamente, na comparação com o mesmo período do ano passado. As informações constam na mais recente edição do boletim InfoMercado Semanal Dinâmico, da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE, que traz dados prévios de geração e consumo de energia, além da posição contratual líquida atual dos consumidores livres e especiais.

 

A geração de energia no Sistema Integrado Nacional – SIN ao longo de junho registrou 60.648 MW médios perante 60.367 MW médios no mesmo período do ano passado. O principal impulsionador foi a geração das eólicas, que apresentaram aumento de 30,6%. A geração das térmicas registrou queda de 2,8%, devido, principalmente, à diminuição na produção das usinas termelétricas a carvão mineral (-35,7%). As hidráulicas tiveram retração de 1,2% na geração.

 

O consumo de energia, ao longo do período, somou 57.881 MW médios, ficando praticamente no mesmo patamar do ano passado (+0,2%), que teve 57.752 MW. Houve queda de 5% no consumo do Ambiente de Contratação Regulado – ACR (cativo), no qual os consumidores são atendidos pelas distribuidoras, montante influenciado pela migração de consumidores para o mercado livre. Caso esse efeito fosse desconsiderado, o consumo no período teria aumentado 1,2%.

 

Já no Ambiente de Contratação Livre – ACL, no qual consumidores compram energia diretamente dos fornecedores, o consumo com as novas cargas vindas do mercado cativo cresceu 14,8%, número que apresentaria retração de 2,2% sem o movimento de migração.

 

Entre os ramos da indústria avaliados pela CCEE, incluindo dados de autoprodutores, varejistas, consumidores livres e especiais, os maiores índices de aumento no consumo de energia no período pertencem aos segmentos de comércio (96,5%); telecomunicações (85,1%); e saneamento (71,9%), variações analisadas sob o efeito da migração para o mercado livre.

 

O InfoMercado Semanal Dinâmico também apresenta estimativa de que as usinas hidrelétricas integrantes do Mecanismo de Realocação de Energia – MRE gerem, em junho, o equivalente a 80,48% de suas garantias físicas, ou 43.391 MW médios em energia elétrica. Para fins de repactuação do risco hidrológico, o percentual foi quase o mesmo (79,48%).

 

Fonte: CCEE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *