Infraestrutura atrai investidor de longo prazo

Reservatórios do Norte diminuem níveis e operam com 63,9% da capacidade
10 de julho de 2017
Então é por isso? Pesquisa energética precisa de doações?
11 de julho de 2017
Mostrar tudo

Infraestrutura atrai investidor de longo prazo

Infraestrutura atrai investidor de longo prazo. Para mercado financeiro, crise política não desanima grupos e fundos que buscam oportunidades em energia e concessões.

A crise política pela qual o Brasil passa não deve afugentar os investidores em infraestrutura como um todo. Além dos chineses, que chegaram em peso no ano passado para comprar negócios no País colocados à venda – seja por causa da recessão econômica ou por companhias envolvidas na Lava Jato, sobretudo nas áreas de construção e energia –, fundos de investimentos e grupos asiáticos estão de olho em diversas oportunidades de negócios, como concessões de rodovias, ferrovias e saneamento, afirmam fontes do mercado financeiro.

 

A gestora canadense Brookfield, que foi uma das protagonistas em aquisições no ano passado, com a compra do gasoduto NTS, da Petrobrás, e de 70% da Odebrecht Ambiental, também está negociando diversos ativos de estatais elétricas. É o caso dos ativos da Renova Energia. A gestora teria ampliado a oferta pelo negócio, incluindo a fatia detida pela Cemig, maior acionista na empresa de energia renovável, de acordo com fontes ouvidas pela agência Reuters. Procurada pela reportagem, a Brookfield não comenta. 

 

Pacote de elétricas. As estatais elétricas que foram colocadas à venda devem atrair aportes que superam mais de R$ 30 bilhões. Estão na mesa empresas da Eletrobrás, Cesp (estatal paulista), CEB, de Brasília; CEEE, do Rio Grande do Sul, conforme informou o Estado.  

 

No ano passado, a chinesa State Grid, que entrou no País em 2010, anunciou a compra da fatia da CPFL, que pertencia à Camargo Corrêa. A chinesa CCCC, que comprou o controle da Concremat, também está fazendo investimento no porto de São Luís, no Maranhão. De acordo com uma fonte próxima à companhia, outros negócios de infraestrutura estão no radar da chinesa.

 

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *