Furnas revoga licitação para compra de turbinas eólicas vencida pela WEG

Risco hidrológico já trava R$ 2 bi no mercado à vista
12 de julho de 2017
Mercado de energia quer decisão rápida sobre PLD
12 de julho de 2017
Mostrar tudo

Furnas revoga licitação para compra de turbinas eólicas vencida pela WEG

O motivo do cancelamento da concorrência, determinado no fim de junho, no entanto, não foi revelado.

Três meses após ter anunciado a catarinense WEG como vencedora de licitação para o fornecimento de um pacote de aerogeradores para um complexo eólico de 280 megawatts (MW) de capacidade, na Bahia, a Itaguaçu da Bahia Energias Renováveis (Iber), empresa da qual Furnas detém 98% de participação, em parceria com a Casa dos Ventos (2%),
determinou a revogação do processo. O motivo do cancelamento da concorrência, determinado no fim de junho, no entanto, não foi revelado.

 

Em janeiro deste ano, o Valor apurou que a WEG tinha sido a única empresa habilitada e que tinha apresentado proposta pelo fornecimento dos equipamentos. Em março, a Iber divulgou resultado, confirmando a classificação da fabricante catarinense. O contrato para o fornecimento dos aerogeradores, porém, não foi assinado.

Este é o segundo revés com relação ao suprimento de turbinas eólicas para o complexo baiano. Inicialmente a encomenda seria atendida pela argentina Impsa. Em 2014, a unidade brasileira da companhia voltada para fabricação de aerogeradores enfrentou dificuldades financeiras e entrou com pedido de recuperação judicial, paralisando suas atividades.

Procurada pelo Valor, Furnas informou, em nota, que "tendo em vista a revogação publicada pela Iber, não houve assinatura de contrato e a licitação encontra-se encerrada". A estatal acrescentou que, apesar de deter participação acionária na Iber, a empresa "tem gestão e governança próprias". A WEG informou que "não comenta sobre processos de licitações
de outras empresas".

Embora o motivo da revogação não tenha sido revelado, cogita-se que uma razão seja a possibilidade de o complexo, que possui atraso significativo do cronograma de implantação junto à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), tenha seu contrato de energia cancelado, por meio do leilão de descontratação que está sendo preparado pelo governo.

Itaguaçu faz parte dos 21 parques eólicos dos quais Furnas possui participação e que venderam energia no leilão do tipo "A-5" de 2013, com início de fornecimento de energia em maio de 2018. Na ocasião, os parques venderam energia pelo valor de R$ 121 o megawatt-hora (MWh).

No fim de março, o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr., comentou em evento que a companhia possui mais de 40 sociedades de propósito específico (SPEs) que não tiveram as obras iniciadas. Na ocasião ele destacou projetos de energia eólica que enfrentaram dificuldades depois que a Impsa entrou em recuperação judicial. 

 

Fonte: Valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *