PLD sobe 5% na terceira semana de julho

Consumo no mercado livre bate recorde e chega a 30% da carga do Sistema Interligado
17 de julho de 2017
PDE agrada renováveis “térmo-dependentes”, mas desagrada PCH’s
17 de julho de 2017
Mostrar tudo

PLD sobe 5% na terceira semana de julho

O Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) para o período entre 15 e 21 de julho subiu 5% ao ser fixado em R$ 266,98/MWh no Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte.

O Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) para o período entre 15 e 21 de julho subiu 5% ao ser fixado em R$ 266,98/MWh no Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. O PLD permanece equalizado em todo o país, uma vez que os limites de intercâmbio entre os submercados não foram atingidos em nenhum patamar de carga. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, 14 de julho, pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

A queda de 70% para 66% da média história na previsão de afluências para o Sistema Interligado Nacional (SIN), em julho, é o principal fator para o aumento do preço. Há expectativa de redução nas ENAs para o Sudeste (82% para 80%), Sul (58% para 47%) e Norte (64% para 61%) com manutenção da previsão anterior na região Nordeste, em 33% da média.

A análise indica ainda queda de 700 MW médios na carga prevista para o sistema com reduções na região Sudeste (-350 MW médios), Sul (-100 MW médios) e Nordeste (-300 MW médios). A carga esperada para o Norte deve ficar 50 MW médios superior à última previsão.

Na comparação com a expectativa da semana anterior, os níveis dos reservatórios do SIN registraram redução em torno de 330 MW médios de energia armazenada, permanecendo estáveis no Sudeste. Os índices elevaram-se em 100 MW médios apenas no Nordeste e caíram no Sul (-400 MW médios) e no Norte (-30 MW médios).

O fator de ajuste do Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) previsto para julho foi revisto de 67,7% para 66,9% e os Encargos de Serviços do Sistema (ESS) são esperados em R$ 25 milhões para o período, sendo R$ 6 milhões referentes à segurança energética.

 

Fonte: Canal Energia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *