Setor de energia inova no relacionamento com consumidores

BNDES quer levantar US$ 1,1 bilhão em captações externas para renováveis
26 de julho de 2017
Aneel aprova edital para descontratação de reserva
26 de julho de 2017
Mostrar tudo

Setor de energia inova no relacionamento com consumidores

Intensivo em bens de capital, o setor de energia é um dos que mais avançaram na digitalização, não só com a automação desses ativos, mas na introdução de inovações para a melhoria do relacionamento com os consumidores.

Intensivo em bens de capital, o setor de energia é um dos que mais avançaram na digitalização, não só com a automação desses ativos, mas na introdução de inovações para a melhoria do relacionamento com os consumidores. Charles Lenzi, presidente da AES Eletropaulo, informa que a digitalização da empresa começou há dez anos, com a automação da geração, via digitalização das subestações e de todos os sistemas-chave de subtransmissão da rede de média e alta tensão. Com isso, a empresa consegue ter operação remota de todas as chaves por meio de uma rede híbrida de rádio e PLC (Power Line Carrier).

 

Em 2013, foi iniciado um grande projeto para a rede de baixa tensão em Barueri (SP) com recursos de P&D. O projeto foi bem-sucedido e, como resultado, a AES implantou equipamentos que permitem operação remota em toda a área de concessão. Já foram instalados mais de 9 mil chaves e 3 mil detectores de faltas que chegarão a 7,2 mil até o final do ano.

 

"Em 2016 investimos R$ 791,5 milhões. De 2017 a 2021, vamos chegar a R$ 4 bilhões para a melhoria da qualidade, novas formas de atendimento, automação e modernização da rede", diz Lenzi.

 

A Light já conta com 1 milhão de medidores inteligentes instalados no Rio de Janeiro, número que deverá chegar a 1,5 milhão até o final do ano, contemplando também a região metropolitana. Eles estão conectados, via rede Mesh, diretamente ao Centro de Controle e Medição da Light e já preparados para geração distribuída, podendo medir consumo e geração de consumidores que venham a instalar painéis fotovoltaicos.

 

"Já conseguimos saber o consumo diário e identificar perfis de demanda. A partir de setembro, vamos fazer um piloto para medição, emissão e entrega de fatura. Até o final de 2018, o projeto atingirá 90% dos clientes", diz Dalmer Alves, diretor de engenharia.

 

A Enel programou, em nível global, investimentos de € 4,7 bilhões em digitalização, com projetos para atingir a manutenção preditiva, além de soluções que visam a melhoria da interface digital dos consumidores no relacionamento com a empresa por meio de aplicativos, site e redes sociais.

 

Para fomentar a inovação, a Enel criou o Inspire Empreendedores e a Energy Start, primeira aceleradora da América Latina dedicada a startups de energia e criada em parceria com a Ace. Em duas edições, do Inspire Empreendedores foram 122 ideias de 68 colaboradores com seis projetos selecionados para aceleração de 18 meses, com dez colaboradores. Já o foco da Energy Start são startups ligadas a digitalização (IoT), energias renováveis, sustentabilidade, eficiência energética, cidades inteligentes e E-Mobility.

 

Entre as aplicações, um dos destaques é a solução desenvolvida pela Tivit, a ferramenta GoTo para supervisão de 1419 equipes de campo nas duas áreas de concessão no Rio de Janeiro e no Ceará. Segundo Fabiano Droguetti, diretor de aplicações e operações digitais da Tivit, após três meses de implantação, houve uma otimização de mais de 25% do custo.

 

Fonte: Valor Econômico
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *