CCEE: PLD salta 91% e fica em R$ 514,66/MWh

A sustentabilidade de hidrelétricas
31 de julho de 2017
Migração em peso para o mercado livre de energia
31 de julho de 2017
Mostrar tudo

CCEE: PLD salta 91% e fica em R$ 514,66/MWh

O Preço de Liquidação das Diferenças para o período entre 29 de julho e 4 de agosto passou de R$ 269,76/MWh para R$ 514,66/MWh no Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte, aumento de 91%.

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica informa que o Preço de Liquidação das Diferenças para o período entre 29 de julho e 4 de agosto passou de R$ 269,76/MWh para R$ 514,66/MWh no Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte, aumento de 91%. O preço permanece equalizado em todo o país, uma vez que os limites de intercâmbio entre os submercados não foram atingidos em nenhum patamar de carga.

Em julho, as afluências para o Sistema devem fechar em 63% da Média de Longo Termo, abaixo da média para todos os submercados. Para agosto, a expectativa é de ENAs em 67% da MLT, mantendo o cenário atual com índices abaixo da média nos quatro submercados: Sudeste, com 78%; Sul, com 59%; Nordeste, com 31% e Norte, com 63%.

A expectativa é que a carga prevista para a próxima semana fique em torno de 760 MW med mais alta, aumento esperado em todos os submercados, exceto no Sul, que recuou 20 MW med. A elevação da carga é esperada sobretudo no Sudeste, com aumento de 440 MW med, fator que também contribui para a elevação dos preços.

Já os níveis dos reservatórios do SIN ficaram 470 MW med inferiores à última previsão com reduções no Sudeste, com queda de 410 MW med e no Sul, com 300 MW med a menos. No Nordeste e no Norte, os níveis subiram em torno de 105 MW med e 135 MW med, respectivamente. O fator de ajuste do MRE previsto para julho é de 64,8%, enquanto a previsão para agosto é de 62,5%. Os Encargos de Serviços do Sistema são esperados em R$ 42,5 milhões para julho, sendo R$ 34 milhões referentes à restrição operativa. Já para agosto, a previsão indica encargos de apenas R$ 1,08 milhão, valor também referente à restrição operativa.

 

Fonte: Canal Energia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *