Barack Obama elogia produção de energia verde e biocombustíveis no Brasil

Projetos bilionários em transmissão de energia no Brasil atraem indianos e chineses
9 de outubro de 2017
Indústria puxa geração de emprego após dois anos de retração
9 de outubro de 2017
Mostrar tudo

Barack Obama elogia produção de energia verde e biocombustíveis no Brasil

O protagonismo do Brasil na produção de energia verde e no uso dos biocombustíveis foi elogiado pelo ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, durante o Fórum Cidadão Global...

O protagonismo do Brasil na produção de energia verde e no uso dos biocombustíveis foi elogiado pelo ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, durante o Fórum Cidadão Global, nesta quinta-feira (dia 05 de outubro), em São Paulo. Segundo ele: “o que me dá esperança é que os Estados Unidos conseguiram aumentar muito o uso de suas energias renováveis.

 

E o Brasil, também de várias formas, vem trabalhando em biocombustíveis e tem sido um exemplo para o mundo. Isso é algo que devemos nos orgulhar e também continuar”. ”É fato que o Brasil é um importante agente nessa agenda ambiental global”, completa Elizabeth Farina, presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA).

 

“O Brasil tem sido um dos mais importantes protagonistas nas discussões em torno da Plataforma Biofuturo, lançado na COP22 com o apoio de mais de 20 países, incluindo os Estados Unidos, para acelerar o desenvolvimento e ampliar a implantação de medidas sustentáveis de baixa emissão. Temos uma vantagem competitiva importante, considerando que nossa matriz energética é uma das mais renováveis do mundo”.

 

O setor sucroenergético recebe esse discurso com muito orgulho, principalmente de um líder como o ex-presidente americano. Neste momento, existe uma importante mobilização global para criação de políticas públicas que aumentarão a produção e o uso de renováveis, a exemplo da China, que mais recentemente anunciou planos de elevar o nível de etanol na mistura do combustível; e do próprio Brasil, que está prestes a implementar o RenovaBio, um programa de descarbonização de transportes e redução de emissão de gases de efeito estufa (GEEs) rumo a uma economia de baixo carbono.

 

Tanto a Plataforma Biofuturo quanto o RenovaBio, em linha com os compromissos ambientais do País para 2030, assumidos na Conferência do Clima (COP21), reforçam o papel dos biocombustíveis, em especial o etanol de cana. O biocombustível, que reduz emissões em até 90% se comparado à gasolina, contribuirá para que o Brasil reduza em 43% emissões de GEEs e aumente a participação dos renováveis na matriz energética em 18%.

 

Hoje, o etanol abastece 73% da frota Flex e 30% da frota nacional de motos. Desde a introdução da tecnologia flex, seu uso nesses veículos evitou a emissão de mais de 400 milhões de toneladas de CO2 eq.

 

“Somos o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo e um dos principais exportadores de etanol, com uma indústria sustentável que representa R$ 80 bilhões do PIB brasileiro. Assim como Obama pontuou, seu governo conseguiu provar que o progresso econômico e a proteção ambiental não estão em conflito, mas que na verdade podem complementar um ao outro. No Brasil, isso é também uma realidade. Como exemplo, nossa indústria gera quase um milhão de empregos e renda em 30% dos municípios brasileiros.”, comenta Farina.

 

UNICA

 

 

A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA – www.unica.com.br) é a entidade representativa das principais unidades produtoras de açúcar, etanol (álcool combustível) e bioeletricidade da região Centro-Sul do Brasil, principalmente do Estado de São Paulo.

 

As usinas associadas à UNICA são responsáveis por mais de 50% da produção nacional de cana, 60% da produção de etanol e quase 70% da bioeletricidade ofertada para o Sistema Interligado Nacional (SIN).

 

Na safra 2016/17, o Brasil produziu aproximadamente 651 milhões de toneladas de cana, matéria-prima utilizada para a produção de 38,7 milhões de toneladas de açúcar, 27,2 bilhões de litros de etanol e mais de 20 TWh para a rede elétrica nacional.

 

Fonte: Ambiente Energia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *