Comissão do Senado debate expansão por renováveis e exclusão de térmicas

Leilão de energia A-6 deve ocorrer até agosto, diz presidente da EPE
23 de março de 2018
Maior parque eólico da região Sul será inaugurado no Paraná em 2019
27 de março de 2018
Mostrar tudo

Comissão do Senado debate expansão por renováveis e exclusão de térmicas

O projeto de lei nº154 de 2016, que prevê a ampliação da oferta de energia elétrica por fontes renováveis e a exclusão de termelétricas que utilizem derivados de petróleo em leilões de energia nova, será debatido em audiência pública na Comissão de Meio A

O projeto de lei nº154 de 2016, que prevê a ampliação da oferta de energia elétrica por fontes renováveis e a exclusão de termelétricas que utilizem derivados de petróleo em leilões de energia nova, será debatido em audiência pública na Comissão de Meio Ambiente do Senado (CMA) na próxima terça-feira, 27 de março, a partir das 10h30.

 

O atual relator da proposta, senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) é autor do requerimento da audiência pública, tendo um entendimento contrário ao conteúdo texto, que dá prioridade à geração de energia elétrica a partir das renováveis e elimina, progressivamente, a geração a partir de derivados de petróleo nas termelétricas.

 

Segundo o projeto, a contratação de geração térmica nos leilões de energia nova será proibida a partir de 2025, fator de desagrado para Flexa, que argumenta que a instituição de proibições, sobretudo em leis, retira das autoridades a flexibilidade necessária para formular e implementar políticas eficazes. “Normalmente, é mais recomendável estimular aquilo que se deseja em lugar de introduzir proibições”, afirmou o senador.

 

Ainda assim, o relator optou por ouvir diferentes opiniões e sugestões antes de apresentar seu relatório final. Para o debate foram convidados Lívio Teixeira de Andrade Filho, coordenador-geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas e Energia; Hélvio Neves Guerra, superintendente de Concessões e Autorização de Geração da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel); e um representante do Ministério do Meio Ambiente.

 

As informações são da Agência Senado

 

Fonte: Canal Energia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *