Meio ambiente também é assunto para a economia

Revisão de regras para geração distribuída entra em audiência pública
23 de janeiro de 2019
Carga de energia bate novo recorde diante de altas temperaturas, diz ONS.
23 de janeiro de 2019
Mostrar tudo

Meio ambiente também é assunto para a economia

O modelo atual de uso dos recursos no Brasil deveria estar no cerne das preocupações da nova equipe econômica.

"Para todo problema complexo existe sempre uma solução simples, elegante e completamente errada", disse o jornalista americano H.L. Mencken. Orientadas pelo forte apoio do setor ruralista ao governo federal empossado, as mudanças na gestão ambiental concentraram-se no que esse setor considera como empecilhos às suas atividades. Questões complexas inerentes ao meio ambiente foram reduzidas, de forma simplista, a uma discussão sobre o uso do solo. Várias interações, humanas e ecológicas, entre ecossistemas terrestres e aquáticos e populações rurais e urbanas passaram ao largo das preocupações daqueles com a responsabilidade de governar para todos os brasileiros.

O modelo atual de uso dos recursos no Brasil deveria estar no cerne das preocupações da nova equipe econômica.

 

O setor do agronegócio não é homogêneo. Produtores que respeitaram a legislação ambiental e trabalhista, produzindo com qualidade e alta produtividade não podem ser confundidos com grupos que se utilizam de grilagem, corrupção, violência e que prosperam na especulação fundiária.

A agricultura é uma atividade econômica altamente dependente dos recursos naturais e serviços ecossistêmicos. É também multifuncional (produz mais do que alimentos, fibras ou energia) com forte impacto em muitos elementos da economia e em nossos ecossistemas.

 

As mudanças recentes que agradaram a parte do setor ruralista constituem uma vitória de Pirro, prejudicial ao vencedor e obtida por alto preço, a ser pago por toda a sociedade brasileira. Tais ações enfraquecem as políticas de mitigação e adaptação às mudanças climáticas, de controle do desmatamento, e de demarcação de terras indígenas e territórios quilombolas com potenciais prejuízos irreparáveis.

Tais posições não surpreendem, mas é fundamental lembrar as conexões com duas áreas-chave no novo governo – Economia e Justiça e Segurança Pública – que não podem estar alheias aos temas meio ambiente, os povos indígenas e outras populações tradicionais.

 

A degradação ambiental impõe custos de longa duração à economia, que resultam em perdas de produção e de capital humano. A poluição do ar e da água representam um pesado tributo, acarretando sérios problemas de saúde e até mesmo mortalidade prematura. Os impactos da poluição são particularmente adversos para os jovens, os idosos e os pobres.

Se houve recuo no discurso oficial sobre a saída do Brasil do Acordo de Paris, a falta de prioridade para as Mudanças Climáticas na nova estrutura do Ministério do Meio Ambiente e a sua negação pelo titular do Ministério das Relações Exteriores são extremamente preocupantes.

 

A agricultura em larga escala, tão importante para a nossa economia, depende de chuva na quantidade, no momento e no local adequados. Variações atípicas de temperatura prejudicam a sua produtividade. Cerca de 65% da eletricidade produzida no país, um dos motores da economia, tem origem hídrica e também dependente de um regime adequado de chuvas.

O modelo atual de uso dos recursos no Brasil deveria estar no cerne das preocupações da nova equipe econômica, pois gera enormes passivos que comprometem a capacidade de proteger a população, e sobrecarregam as futuras gerações com escolhas que reduzem as opções de desenvolvimento.

 

Do lado da Justiça e Segurança Pública, é preciso lembrar os fortes laços entre corrupção, crime, desmatamento e degradação ambiental. O suborno abre portas para atividades ilegais associadas ao uso dos ambientes naturais e seus recursos. São notórios os casos de corrupção em obras de infraestrutura de duvidosos benefícios socioambientais. O sucesso do Brasil no controle do desmatamento em passado recente envolveu ampla concertação de atores públicos e privados. São essenciais o monitoramento das regulamentações florestais e o uso de novas tecnologias que possam coibir o comportamento ilegal.

 

No campo da segurança pública, estudos apontam que a qualidade ambiental e a saúde humana estão ligados à redução do crime. Direitos não podem ser garantidos em um ambiente degradado. O direito fundamental à vida é ameaçado pela degradação do solo, desmatamento, exposição a resíduos tóxicos e água potável contaminada. Mais justiça poderia ser alcançada por meio do incentivo a arranjos apropriados de governança local, ampliando a capacidade dos envolvidos para avaliar as opções de gestão do meio ambiente e dos recursos naturais e apoiar a participação informada nas decisões.
É preocupante a saída da Funai do Ministério da Justiça e o esvaziamento de suas funções entre três pastas diferentes. Hoje, minorias indígenas e defensores ambientais e de direitos civis enfrentam o perigo da injustiça e do abuso dos direitos humanos.

 

O Brasil é a casa de centenas de povos indígenas e outras populações tradicionais. Estudos reconhecem a importância de seus conhecimentos e práticas para o controle do desmatamento, conservação da biodiversidade e segurança alimentar.

O gozo dos direitos desses brasileiros pressupõe o exercício de atividades tradicionais em territórios protegidos por lei, com garantia de sua participação efetiva nas decisões que os afetam, O atraso nas demarcações de terras indígenas e quilombolas gera conflitos inerentes à insegurança jurídica de lado a lado o que só amplia a violência que já grassa no Brasil.

 

O retorno da concepção assimilacionista dos povos indígenas fere o ordenamento jurídico nacional e o direito internacional. A Constituição Federal de 1988 acolheu o respeito à multiculturalidade. O direito à diversidade cultural é um direito fundamental.

Em um projeto de governo que se colocou para a sociedade como o retorno da ética à política, cabe recordar as bases éticas do Desenvolvimento Sustentável: satisfazer as necessidades humanas, garantir a justiça social e respeitar os limites ambientais.

 

Restringir a questão ambiental a um gueto delimitado pelas demandas de parte de um setor específico, elude da sociedade brasileira a possiblidade de crescimento econômico com sustentabilidade, a garantia de direitos constitucionais, e a redução das desigualdades com respeito à diversidade

Mercedes Bustamante é professora titular da Universidade de Brasília
Helder Queiroz é pesquisador do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá
Carlos Joly é professor titular da Universidade Estadual de Campinas. O artigo é subscrito também pela Coalizão Ciência e Sociedade que reune cientistas de instituições de pesquisa de todas as regiões brasileiras.

 

Fonte: CERPCH – 23/01/2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *