Biomassa da cana vende mais energia que a fotovoltaica no A-6

Aneel libera 24,8 MW térmicos para testes na região Norte
24 de outubro de 2019
Aneel põe em consulta pública norma que muda regras para quem gera energia solar
24 de outubro de 2019
Mostrar tudo

Biomassa da cana vende mais energia que a fotovoltaica no A-6

A fonte biomassa da cana fecha o ano com a comercialização de 76,9 MW médios comercializados nos leilões de energia nova

O ano passado foi o 3º pior ano de contratação de novos projetos de bioeletricidade sucroenergética nos leilões regulados promovidos pelo Governo Federal, desde a implantação desta forma de contratação em 2005, com a comercialização de apenas 7 MW médios no ano de 2018.

Contudo, agora com o Leilão A-6, acontecido em 18/10, a fonte biomassa da cana fecha o ano com a comercialização de 76,9 MW médios comercializados nos leilões de energia nova: 69,5 MW médios comercializados no Leilão A-6 e 7,4 MW médios no Leilão A-4 que aconteceu em junho último.

No Leilão A-6, ocorrido nesta sexta-feira, a fonte biomassa conseguiu comercializar quase 70 MW médios de 6 projetos sucroenergéticos, mais do que a fonte fotovoltaica, que comercializou um total de 59,5 MW médios. A fonte que mais comercializou energia foi a gás natural com 673,1 MW médios, seguida das eólicas com 181 MW médios e as pequenas centrais hidrelétricas (PCH/CGH) com 172 MW médios.

O Leilão A-6 contratou um total de 1.155 MWmédios, com um preço médio de R$ 176,09/MWh, indo de R$ 84,39/MWh para a fotovoltaica a R$ 205,78/MWh de preço médio no caso das PCHs/CGHs. As eólicas tiveram um preço médio de R$ 98,89/MWh, as térmicas a gás natural fecharam com preço médio de R$ 188,87/MWh e a fonte biomassa com R$ 187,90/MWh.

Inicialmente, a fonte biomassa cadastrou 25 projetos no Leilão A-6/2019, mas comercializou energia de apenas 6 ao fim do processo. Ainda assim, o resultado de hoje mostra que o setor sucroenergético pode responder rapidamente de forma positiva nos leilões regulados, mas é necessário criar condições mais perenes para atrair o investimento em bioeletricidade nos certames promovidos pelo Governo Federal.

Dentre elas, dedicar uma demanda a contratar maior para o produto em que a fonte biomassa e o biogás concorrem para se estimular a contratação de mais projetos, preferencialmente estabelecendo-se produtos específicos para estas fontes, idealmente delineados sob a ótica de uma política setorial dedicada à bioeletricidade.

Também, para iniciarmos uma retomada efetiva de investimento em bioeletricidade, seria importante que a fonte possa participar nos recentes divulgados Leilões de Energia Existente A-4 e A-5, que acontecerão em março de 2020. Nestes leilões, que oferecerão contratos de 15 anos, poderão participar apenas térmicas a gás natural e carvão nacional, sem a participação das fontes biomassa sólida e biogás.

As fontes biomassa e biogás já têm concorrido com carvão e gás natural nos leilões A-6, mas foram excluídas destes leilões existentes divulgados no dia 16/10, um revés para a biomassa que terá quase 50% de seus contratos no ambiente regulado vencendo até 2024 e estes leilões seriam um oportunidade para investir não somente em manutenção/troca de equipamentos destas usinas a biomassa, como estimular também a reforma (retrofit) com a respectiva expansão da geração nessas usinas.

Excluir a fonte biomassa sólida e o biogás nestes Leilões de Energia Existente, pautado pelo argumento da despachabilidade não é justificativa suficiente, até porque a fonte biogás pode entregar este atributo e a biomassa da cana gera uma energia considerada não intermitente e fortemente complementar à fonte hídrica, sendo um reservatório virtual para as hidrelétricas, sobretudo no submercado Sudeste/Centro-Oeste. Em 2019, a oferta de bioeletricidade da cana para a rede (21,5 TWh) significou ter poupado 15% da energia armazenada total nos reservatórios das hidrelétricas do submercado SE/CO, por conta da maior previsibilidade e disponibilidade da bioeletricidade no período seco.

Ainda dá tempo para se alterar as diretrizes para os Leilões de Energia Existente, mas, caso ocorram outros leilões deste tipo, que a biomassa e o biogás possam participar, ou, preferencialmente, que seja delineada uma sequência de leilões dedicados à biomassa e ao biogás, para estimularmos novamente a retomada do investimento nestas fontes de geração tão estratégicas para o Sistema Interligado Nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *