Modernização do Setor Elétrico: relatório final do GT foi apresentado nesta terça-feira, 29, no RJ

Energia pode encarecer devido aos subsídios
31 de outubro de 2019
CCEE registra 100% de adimplência na Liquidação do MCSD de Energia Existente de setembro
31 de outubro de 2019
Mostrar tudo

Modernização do Setor Elétrico: relatório final do GT foi apresentado nesta terça-feira, 29, no RJ

O Ministério de Minas e Energia (MME) promoveu na tarde de hoje, 29, no Clube Naval do Rio de Janeiro, evento para apresentar o relatório final do Grupo de Trabalho de Modernização do Setor Elétrico.

Além do MME, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) também participaram da organização do evento.

A abertura do evento contou com a participação do Ministro Bento Albuquerque, que agradeceu aos presentes e demonstrou que “o MME está comprometido a construir as soluções com a qualidade que a sociedade merece, sempre prezando pela preservação do valioso consenso sobre modernização a partir da Consulta Pública Nº 33 de 2017”. O GT construiu, nos últimos 180 dias, um plano de ação para implementação das diretrizes, que a partir de hoje nortearão as nossas ações pelos próximos 3 anos, para a entrega de um novo ambiente de negócios no Setor Elétrico Brasileiro.

No trabalho desenvolvido pelo GT de Modernização do Setor Elétrico foram realizadas mais de 140 reuniões com cerca de 100 especialistas e 30 agentes, associações e consultorias, divididos em 14 grupos temáticos, com o apoio de seis órgãos de governo, além de cinco Consultas Públicas e sete workshops. No total, o Grupo contou com a participação ativa de mais de 1.500 representantes de empresas, associações e demais interessados no setor. O GT coordenado pelo MME teve a participação intensa de técnicos da ANEEL, CCEE, EPE e ONS.

Durante a solenidade, foi realizada a apresentação dos principais tópicos do principal Relatório do GT, denominado Sumário Executivo, que compila as ideias contidas nos relatórios dos 14 grupos temáticos.

O documento do GT propõe um Plano de Ação desdobrado em 15 frentes de atuação com 88 ações; 46 se iniciam no curto prazo, das quais 11 serão concluídas nos próximos 90 dias, e as demais daí em diante, com seus desdobramentos em prazos mais dilatados, já que dependem de estudos e análises de impacto regulatório e de risco, e algumas envolvem mudanças de dispositivos legais.

O trabalho desenvolvido pelo GT partiu do princípio de que a indústria da energia elétrica está passando por profundas transformações no mundo todo e também no Brasil, com a inserção de energias renováveis, novas soluções tecnológicas e um consumidor cada vez mais empoderado.

Ou seja, um ambiente de transformação com muitos desafios e oportunidades, mas que precisa levar em conta as características do contexto brasileiro, onde convivem: arcabouço regulatório que privilegia a gestão centralizada, com foco na expansão baseada no ambiente regulado; judicialização excessiva em razão de conflitos sobre a alocação de custos e riscos; um papel fundamental da expansão e modernização das redes de transmissão e de distribuição; com a necessidade de garantia de expansão para atender ao crescimento da demanda; onde os preços derivam de modelos computacionais e flutuam conforme o regime de chuvas; e a diversificação da matriz, com as hidrelétricas tendo papel de destaque no sistema.

"É bom saber por onde vai o Governo nesse importante campo, pois dele é o Poder Concedente".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *