Bloomberg: CATL já está aceitando pedidos de bateria automotiva com 2 milhões de km e 16 anos de vida útil

Queda de preço deixa mais interessante a migração para o Ambiente de Livre Contratação de Energia
9 de junho de 2020
Metade dos brasileiros vai comprar energia “de quem quiser” em dez anos, prevê presidente da Eletrobras
16 de junho de 2020
Mostrar tudo

Bloomberg: CATL já está aceitando pedidos de bateria automotiva com 2 milhões de km e 16 anos de vida útil



Geração de Energia Renováveis, o melhor investimento. Mas a “ficha” ainda demora a cair...

A gigante chinesa CATL, Contemporany Amperex Technology Co. Ltd. - que já fabrica como fornecedor original as baterias de carros elétricos para a Tesla Inc. e a Volkswagen AG, acaba de anunciar que desenvolveu uma bateria automotiva que dura 2 milhões de quilômetros - um marco da indústria e um grande benefício para as montadoras que tentam convencer os motoristas a migrarem para o uso de veículos elétricos.
“Nossa empresa já está preparada para produzir e fornecer essa bateria que dura 16 anos e 1,24 milhão de milhas”, disse o presidente Zeng Yuqun em entrevista na sede da empresa em Ningde, sudeste da China. As garantias das baterias atualmente usadas em carros elétricos cobrem cerca de 250.000 milhas ou oito anos, de acordo com a BloombergNEF.
O prolongamento da vida útil da bateria é visto como um avanço importante, pois faz com que ela possa ser reutilizada em um segundo veículo, reduzindo a despesa para comprar um carro novo, ou usado. Esse é um resultado muito positivo para uma indústria que está buscando recuperar o nível de vendas perdido quando devido ao surto de coronavírus, a queda nos preços do petróleo podem ter tornado os veículos movidos a gás mais competitivos.
Zeng Yuqun Fotógrafo: Qilai Shen / Bloomberg

Zeng YuqunFotógrafo: Qilai Shen / Bloomberg

"Se alguém fizer um pedido, estamos prontos para produzir", disse Zeng, 52 anos, sem revelar se foram assinados contratos para o produto de longa distância. “Elas custam apenas cerca de 10% a mais do que as baterias atualmente usadas nos veículos elétricos”, disse Zeng, cuja empresa hoje é a maior fabricante mundial de baterias.


A preocupação com a perda de capacidade de recarga e força das baterias e a sua substituição após alguns poucos anos é um fator que atrapalha e até em alguns países vem impedindo a adoção maciça de Automóveis Elétricos pelos consumidores. A Tesla havia sinalizado no ano passado que esperava colocar em produção uma bateria com capacidade de um milhão de quilômetros de operação. A General Motors Co. no mês passado disse que já está se aproximando do marco. Essa distância é equivalente a circular o planeta 50 vezes.


Apostando num rápido retorno ao crescimento da indústria de Automóveis Elétricos, a CATL investe grandes somas em pesquisa e desenvolvimento em avanços na tecnologia de baterias. Embora o surto de coronavírus diminua as vendas ao longo deste ano, a demanda por VE aumentará no início de 2021, disse Zeng, que fundou a CATL há uma década.


Segundo o executivo, os compradores de carros em potencial, que durante a pandemia, estão fora do mercado, criaram uma “demanda reprimida” que será liberada a partir do próximo ano, focada num primeiro momento, nos modelos premium. Entre os clientes da CATL estão também outros gigantes deste segmento sofisticado como a BMW AG e a Toyota Motor Corp.


Os comentários de Zeng reforçam a visão de que os veículos elétricos devem enfrentar melhor a desaceleração econômica causada pelo surto do COVID do que os veículos a gás. Os carros movidos a bateria crescerão para 8,1% de todas as vendas no próximo ano na China, que representa a maior parcela das vendas globais de veículos elétricos, e para 5% na Europa, diz a Bloomberg News Economy and Finance, fornecedora líder de pesquisa primária em energia limpa, transporte avançado, indústria digital, materiais inovadores e commodities.


"A pandemia pode ter um efeito duradouro ao longo de 2020, mas não será um fator importante no próximo ano", disse Zeng. "Temos grande confiança a longo prazo."


Em um mercado ampliado pela pandemia, as vendas globais de carros e caminhões movidos a gás podem já ter atingido o pico.


grafico
A CATL fechou um contrato de dois anos em fevereiro de 2020 para a venda de baterias para Tesla, uma grande conquista para a empresa chinesa, pois a líder de carros elétricos dos EUA vinha trabalhado até agora principalmente com a japonesa Panasonic Corp. ea sul-coreana LG Chem Ltd.O acordo seguiu meses de negociações, fazendo com que o CEO da Tesla Elon Musk tivesse que viajar a Xangai para reunir-se com Zeng, algumas vezes.


As baterias CATL devem entrar nos sedãs modelo 3 produzidos na nova e enorme fábrica da Tesla, perto de Xangai, que iniciou as entregas no início deste ano.


As baterias são a parte mais cara de um VE, o que significa que os fornecedores desses componentes têm a chance de colher uma parte do leão dos lucros do setor


Zeng disse que muitas vezes compartilha idéias com Musk, com as duas trocando mensagens de texto sobre desenvolvimentos em tecnologia e negócios. O CATL está fortalecendo seu relacionamento com a Tesla, com assuntos como baterias sem cobalto em sua agenda, disse Zeng.


"Estamos nos dando bem e Elon é um cara divertido", disse Zeng sobre Musk. "Ele está falando sobre custo o dia todo e eu estou me certificando de que temos as soluções."


Zeng disse que Musk também solicitou sua ajuda na obtenção de ventiladores para pacientes com coronavírus. O bilionário norte-americano entregou mais de mil aparelhos respiratórios da China para autoridades de Los Angeles em março.


news2 extra

Instalação de produção da CATL em Ningde.Fotógrafo: Qilai Shen / Bloomberg



As ações da CATL avançaram cerca de seis vezes em Shenzhen desde sua oferta pública inicial em 2018, dando à empresa um valor de mercado de cerca de US $ 47 bilhões.


A Tesla, de longe o fabricante de VE mais valioso, tem uma capitalização de mercado de cerca de US $ 160 bilhões


Um "ponto de gatilho" para carros elétricos ocorrerá assim que ultrapassarem os veículos movidos a gasolina por volta de 2030-2035, disse Zeng. Essa visão é mais ambiciosa do que a de pesquisadores como o BNEF, que espera que a mudança ocorra alguns anos depois.


Um "ponto de gatilho" para carros elétricos ocorrerá assim que ultrapassarem os veículos movidos a gasolina por volta de 2030-2035, disse Zeng. Essa visão é mais ambiciosa do que a de pesquisadores como o BNEF, que espera que a mudança ocorra alguns anos depois. A CATL, que está adicionando uma instalação de produção na Alemanha, deve produzir mais de 70% das baterias exigidas pela BMW, um dos primeiros clientes, disse Zeng. A CATL também trabalha com a unidade Audi da Volkswagen e está cooperando com a Porsche, disse ele.


Zeng não descartou a construção de uma fábrica nos EUA, embora tenha dito que a empresa não tem planos específicos para o momento.


"Nossa equipe conseguiu conquistas ao competir com nossos rivais globais nos mercados estrangeiros", disse Zeng.


- Com assistência de John Liu, Chunying Zhang, Martin Ritchie e David Stringer


Fonte: Bloomberg News

Link da Notícia : https://www.bloomberg.com/news/articles/2020-06-07/a-million-mile-battery-from-china-could-power-your-electric-car



Comentário da ENERCONS:

A tendência é que baterias de Veículos Elétricos quando se tornarem um peso para o sistema elétrico, sejam carregadas quase exclusivamente durante a madrugada e altas horas da noite, quando cai o consumo e quando as fontes mais caras, movidas a combustíveis fósseis, tem reduzido seu despacho.
Quanto aos postos de gasolina, embora possuindo pontos de “recarga rápida” deverão tornar-se locadores de baterias carregadas, trocadas na hora.
Nessa perspectiva, esse nicho de mercado, que deve superar a venda de veículos movidos a gás e gasolina entre 2030 e 2040, deverá ser, em sua maior parte, abastecido por energias renováveis, daquelas disponíveis dia e noite como hidrelétrica e eólica. Ou mesmo pela fotovoltaica, se esse tipo de bateria for adaptado para estocar a energia também dos painéis solares.
Por isso, grandes comercializadoras preparam-se desde hoje para essa realidade, adquirindo grandes contratos de energias de fonte renovável por meio de contratos de 10. 15 ou até 20 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *