Saneamento e Comércio lideram crescimento das migrações para o mercado livre

Ensino remoto: diálogo e interação preocupam professores
22 de setembro de 2020
Goiás: Pequena usina CGH Tamboril entra em operação comercial
25 de setembro de 2020
Mostrar tudo

Saneamento e Comércio lideram crescimento das migrações para o mercado livre

As empresas de saneamento registraram a maior migração de cargas para o mercado livre de energia entre todos os ramos de atividade monitorados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE no último ano. Em julho, o segmento registrava 324 unidades consumidoras habilitadas para negociar no Ambiente de Contratação Livre – ACL, volume 75% superior ao apresentado no mesmo mês de 2019.

Em seguida no ranking de migrações está o comércio, que também representa o setor com maior número de cargas no mercado livre, 6.246 em julho deste ano. Na comparação com o ano passado, a presença do ramo comercial aumentou cerca de 41%. Também apresentaram altas expressivas os segmentos de serviços, minerais não-metálicos, transporte, alimentícios e manufaturados diversos.

Os dados, já consolidados, estão presentes no InfoMercado Mensal referente ao mês de julho, divulgado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE a partir da contabilização das liquidações e operações no Mercado de Curto Prazo – MCP. Confira mais detalhes das migrações no gráfico abaixo:

Consumo

O consumo de energia em julho cresceu 0,8% na comparação anual, saindo de 60.374 MW médios para 60.847 MW médios. O mercado regulado apresentou redução de 0,7%, para 40.848 MW médios, enquanto o mercado livre teve alta de 3,9%, para 20.000 MW médios. Excluindo os efeitos das migrações, o cenário se inverte, com um consumo 2,2% mais elevado no mercado regulado e 2,2% menor no mercado livre.

A redução do consumo de energia no ACL, excluindo o efeito da migração das cargas novas, é explicada pela queda no consumo em nove dos 15 ramos de atividade. Dentre essas quedas, destacamos: serviços (-22%), veículos (-17%), transporte (-13%), têxteis (-9%). Por outro lado, os setores que apresentaram crescimento foram: bebidas (9%), saneamento (7%), minerais não-metálicos (5%), alimentícios (5%) e químicos (3%).

A CCEE verificou ainda a transação de 139 mil MW médios de contratos de energia, sendo 65% relacionados ao mercado livre e com destaque para 258 MW médios destinados à exportação.

Geração

Em julho, a geração de energia no Sistema Interligado Nacional (SIN) apresentou elevação de 0,8% em relação ao mesmo mês em 2019 – 60.919 MW médios contra 60.416 MW médios, respectivamente. Verificou-se aumento em todas as fontes de energia, exceto na térmica, que teve queda de 34,2%. Nesse conjunto, porém, as térmicas à biomassa apresentaram alta de 4,6% no mês. O combustível gerou 4.514 MW médios e representou pouco mais da metade da geração termelétrica verificada em julho.

Fotovoltaicas avançaram 34% e eólicas apresentaram alta de 12,5% no mês. Confira os detalhes da geração nos gráficos abaixo:

Fonte : CCEE

Link da Notícia : https://www.ccee.org.br/portal/faces/pages_publico/noticias-opiniao/noticias/noticialeitura?contentid=CCEE_656921&_adf.ctrl-state=krj6uj0p3_54&_afrLoop=325444671495410#!%40%40%3Fcontentid%3DCCEE_656921%26_afrLoop%3D325444671495410%26_adf.ctrl-state%3Dkrj6uj0p3_58

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *