Consumo de energia elétrica aumenta 1,4% em outubro, aponta CCEE

‘Dá gosto de ver’ retomada da produção no Brasil, diz economista
16 de novembro de 2020
Preço horário vai aumentar a competitividade do setor de energia
16 de novembro de 2020
Mostrar tudo

Consumo de energia elétrica aumenta 1,4% em outubro, aponta CCEE

Embora com menor intensidade do que em meses anteriores, o consumo de energia elétrica continua demonstrando uma recuperação sólida, após ter sido duramente impactado pela pandemia de COVID-19. O dado apresentou novo aumento em outubro em relação ao mesmo mês de 2019, de 1,4%, segundo dados do InfoMercado Quinzenal, divulgado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE.

Mais uma vez, o Ambiente de Contratação Livre – o ACL – foi destaque, com alta de 7% em relação a outubro do ano passado. Ao se expurgar o efeito das migrações advindas do Ambiente de Contratação Regulada – ACR, o resultado permanece positivo, mas um pouco mais brando, atingindo 2%. Os Consumidores Livres ampliaram em 9,3% o volume consumido de energia, enquanto os consumidores especiais chegaram a 3,1% de crescimento, ambos sem considerar o expurgo de migrações entre os ambientes.

O ACR registrou queda de 1% em relação ao mesmo período de 2019. Uma vez desconsiderado o efeito das migrações para o ACL, no entanto, o mercado regulado teria apresentado um aumento 1,2% na mesma base de comparação.
Vale reforçar que os resultados são preliminares e sofrerão alterações até que todos os dados faltantes sejam contabilizados. Os dados levam em conta o consumo total do mercado regulado – ou ACR –, em que o consumidor compra energia diretamente das distribuidoras, e do livre – ou ACL –, que permite a escolha do fornecedor e a negociação de condições contratuais.

Regiões e Ramos de Atividade

Entre os estados, destaque para o crescimento do consumo de energia elétrica no Mato Grosso (14%), Tocantins (12%) e Rondônia (10%), sendo o ACR o grande responsável pela alta. Na outra ponta do ranking, as informações preliminares apontam que Rio Grande do Sul (- 10%), Rio de Janeiro (- 1%) e o Distrito Federal (- 1%) foram as regiões que registraram retração frente ao mesmo mês do ano passado.

Quanto aos ramos de atividade, seguindo a recuperação observada a partir de julho, setores com grande representatividade registraram ampliação em outubro. Dentre eles os ramos de saneamento (30,3%), bebidas (13,2%), manufaturados diversos (10,7%), minerais não-metálicos (10,2%), metalurgia e produtos de metal (7,9%) e alimentícios (9,1%). Apresentaram variações negativas os segmentos de serviços (0,4%), extração de minerais metálicos (1,5%), veículos (4,1%) e transporte (4,4%). Os valores não consideram o expurgo de novas cargas

Geração

Em relação à geração, observa-se um aumento de 1,3% em outubro, comparado ao mesmo período do ano anterior, com destaque para a elevação na produção das usinas hidráulicas (5,0%) e fotovoltaicas (1,7%). Já as usinas eólicas e térmicas apresentaram quedas de (6,3%) e (4,3%), respectivamente.

Fonte: CCEE

Link da Notícia : https://www.ccee.org.br/portal/faces/pages_publico/noticias-opiniao/noticias/noticialeitura?contentid=CCEE_659260&_adf.ctrl-state=esyvjd4pi_1&_afrLoop=332207650524892#!%40%40%3Fcontentid%3DCCEE_659260%26_afrLoop%3D332207650524892%26_adf.ctrl-state%3Desyvjd4pi_5

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *