Transição energética: um bom negócio para todo mundo

Gigantes nos EUA e Europa traçam metas para energia 100% renovável
11 de dezembro de 2020
PCHs: Aspectos socioambientais positivos da implantação de uma matriz energética limpa
11 de dezembro de 2020
Mostrar tudo

Transição energética: um bom negócio para todo mundo

Ao optarem por usar fontes de energia renovável em suas operações, empresas contribuem para a descarbonização e ganham competitividade.

Com o objetivo de reduzir as emissões de carbono lançadas na atmosfera – e, assim, contribuir para frear as mudanças do clima –, a chamada transição energética vem ganhando espaço na agenda de empresas e governo de todo o mundo. Na prática, essa transição exige substituir fontes de energia não-renováveis e poluentes, tais como petróleo, carvão mineral e xisto betuminoso, por renováveis – eólica, solar, biomassa e resíduos, geotérmica e hidrelétrica.

O movimento crescente pela descarbonização se justifica: projeções do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) indicam que se as emissões não forem reduzidas nos próximos anos, os impactos negativos das mudanças climáticas sobre a economia, o meio ambiente e a sociedade podem ser desastrosos. Um relatório divulgado pela Oxford Economics no ano passado, com base em pesquisas científicas recentes, aponta que caso as emissões de gases de efeito estufa (GEE) não sejam contidas nas próximas décadas, a Terra poderá aquecer 2 graus Celsius até 2050, reduzindo o PIB global entre 2,5% e 7,5%. A longo prazo, segundo o mesmo relatório, um aumento de 4 graus da temperatura até 2100 poderia encolher o PIB global em até 30%.

Para reverter esse cenário, que em nada favorece o futuro dos negócios, as empresas têm papel fundamental. Ao optarem por usar fontes de energia renovável em suas operações, elas passam a contribuir de forma decisiva para uma economia de baixo carbono.

Oportunidade

No Brasil, uma das alternativas para aderir à transição é fazer parte do Mercado Livre de Energia – ambiente de negócios onde geradoras, comercializadoras e empresas consumidoras negociam diretamente entre si, com base na regulamentação do setor. O modelo traz vantagens para ambas as partes, mas especialmente para os compradores, que podem contratar energia elétrica ampliam seu poder de escolha, ganhando  competitividade, flexibilidade e economia.

A oportunidade de contribuir com a descarbonização vem da possibilidade, oferecida aos consumidores livres, de adquirir a chamada energia incentivada. Ao fazer essa escolha, a empresa estimula a construção de novos empreendimentos geradores de energia renovável no país, fundamentais à transição energética.

Fonte: Além da Energia

Link da Notícia : https://www.alemdaenergia.com.br/transicao-energetica-um-bom-negocio/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *