De olho nos carros elétricos, Vale estuda transformar unidade de metais básicos em nova empresa com ações na Bolsa

Carro elétrico já tem data para dominar mercado
28 de abril de 2021
Setor elétrico aposta em diversificação
28 de abril de 2021
Mostrar tudo

De olho nos carros elétricos, Vale estuda transformar unidade de metais básicos em nova empresa com ações na Bolsa

RIO – A Vale estuda fazer uma cisão de sua unidade de metais básicos, o que poderia resultar em uma oferta pública inicial de ações (IPO) na Bolsa dessa nova empresa, afirmou o presidente da companhia, Eduardo Bartolomeo, na manhã desta terça-feira.

O spin-off da operação está sendo avaliado em meio ao processo de transição energética de mercado, ancorado sobretudo na demanda por insumos para a fabricação de baterias para carros elétricos. A decisão, porém, não está tomada.

— Sempre olhamos as opções ao nosso alcance. Já havia uma discrepância de valor desde o ano passado, de não percepção de valor de metais básicos dentro da Vale. A gente começou a analisar — afirmou Eduardo Bartolomeo, presidente da Vale, em teleconferência sobre o lucro de cerca de US$ 5,5 bilhões (quase R$ 30 bilhões) da mineradora no primeiro trimestre, um salto de mais de 2.200% na comparação anual.

Ele explicou que a empresa poderia fazer uma reorganização de ativos como forma de alavancar os negócios, o que já vem sendo realizado. 

Nesse sentido, destacou a venda da Vale Nova Caledônia, de níquel, concluída no fim de março, o que vai deixar de abocanhar parte da geração de caixa (Ebitda) da companhia já a partir deste segundo trimestre.

Também mencionou o acordo para a aquisição da fatia da Mitsui na mina de carvão de Moatize em Moçambique. A mineradora planeja se desfazer da operação de carvão.

Bartolomeo acredita que a mineradora encerra 2021 cumprindo a meta de produção de minério de ferro, que é de 315 milhões a 335 milhões de toneladas. Atualmente, o volume já indica chegar a 327 milhões de toneladas, segundo Marcelo Spinelli, vice-presidente de ferrosos. 

— Começamos bem 2021, como esperado. Tivemos o maior Ebitda (indicador de caixa) para o primeiro trimestre da história da companhia. Temos segurança de atingir nosso guide de produção do ano. Estamos progredindo na estabilização da produção — comentou Bartolomeo em teleconferência com analistas realizada na manhã desta terça-feira.

No primeiro trimestre deste ano, o lucro da mineradora alcançou US$ 5,5 bilhões, ou perto de R$ 30 bilhões. Um salto na comparação com o resultado positivo em US$ 239 milhões de janeiro a março de 2020 ainda sob impacto da tragédia na mina de Córrego do Feijão ocorrida um ano antes. 

O cumprimento da meta vem com a reativação e a ampliação da produção em unidades da companhia. A produção de minério de ferro avançou 14,2% nos três primeiros meses do ano, para 68 mil de toneladas, na comparação com igual período de 2020.

Na receita, porém, o resultado dobrou, para US$ 12,6 bilhões impulsionado também pela alta no preço da commodity no mercado internacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *