Fabricante de iPhone anuncia carro elétrico popular para 2023

Corrida contra aquecimento global amplia uso de energias renováveis. Entenda o potencial de fontes como eólica e solar
27 de maio de 2021
Energias renováveis crescem no ritmo mais rápido em 20 anos, diz AIE
27 de maio de 2021
Mostrar tudo

Fabricante de iPhone anuncia carro elétrico popular para 2023

Parceria entre Foxconn e Fisker prevê fabricação de 250 mil veículos ao ano; ações subiram 12% com anúncio

A Foxconn, fabricante do iPhone, fechou parceria com a norte-americana Fisker para desenvolver um novo carro elétrico popular que deverá custar até 30 mil dólares – cerca de 158 mil reais na conversão atual. E, de acordo com a previsão de ambas empresas, deverão ser produzidos 150 mil unidades já no fim de 2023, que deve subir a 250 mil unidades nos anos seguintes.

Todo desenvolvimento ficará a cargo da companhia fundada pelo designer dinamarquês Henrik Fisker, executivo que já passou por Aston Martin, BMW e Ford. Por sua vez, toda montagem será realizada nos Estados Unidos pela Foxconn. Além da América do Norte, o Projeto Pear (sigla em inglês para Revolução Automotiva Elétrica Pessoal) deverá chegar a China, Europa e Índia.

Depois de muita especulação do mercado, essa será a estreia dos taiwaneses no segmento automotivo. Em comunicado oficial, Liu Young-way, presidente da companhia, relembrou a falta de semicondutores que afeta toda a indústria atualmente e garantiu que, por conta da cadeia global de fornecedores com os quais trabalha, não faltarão componentes na linha de montagem.

Para coordenar as operações entre Estados Unidos e Taiwan, foi criado um escritório em conjunto para tratar os temas de engenharia, compras e manufatura. De acordo com Fisker – que também lançará um novo SUV, batizado Ocean, no último trimestre de 2022 –, o Projeto Pear “repensará o carro em relação a proporção, desenho, funcionalidades e conectividade de usuários”.

Vale lembrar que a norte-americana foi uma das primeiras startups de veículos elétricos a se tornarem públicas por meio da fusão reversa (quando companhias de capital aberto são adquiridas por outras de capital fechado para evitar IPO). E, depois de fechar a parceria, as ações subiram 12% nos EUA, também impulsionadas pelo investimento em mobilidade anunciado no país.

Fonte: Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *