Agência Internacional de Energia estimula construção de hidrelétricas

Criado com a VW, JAC e-JS1 é o novo carro elétrico mais barato do Brasil
30 de junho de 2021
Brasil sobe 4 posições em ranking de atratividade para energia renovável
30 de junho de 2021
Mostrar tudo

Agência Internacional de Energia estimula construção de hidrelétricas

Enquanto o Brasil vive a maior crise hídrica dos últimos 91 anos, a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) defendeu que países voltem a investir em usinas hidrelétricas como forma de permitir a redução no volume de emissões de gases causadores do efeito estufa.


Em relatório divulgado nesta quarta-feira, a IEA espera que a capacidade de geração hídrica tenha aumento de 17% até 2030, impulsionada por países como a China, que acaba de inaugurar a segunda maior usina do mundo, Índia, Turquia e Etiópia.
Apesar da alta, o número é menor que o avanço de 25% registrado na década anterior.Segundo a IEA, a previsão é que a China responda por 42% do crescimento de capacidade hidrelétrica no mundo até 2030. Índia, Indonésia, Paquistão, Vietnã e Brasil vão responder por outros 21%.


Maior produtor de eletricidade do mundo a partir de hidrelétricas, o Brasil, que produz 60% da energia através das águas, terá participação tímida nesta década, aponta a agência.

A expectativa é que o aumento de capacidade, que será centrado em pequenas centrais hidrelétricas (PCHs), seja 92% menor que na década passada, quando foram inauguradas usinas na região Norte como Belo Monte, Jirau e Santo Antônio.


A IEA cita redução de locais economicamente viáveis para abrigar novas usinas, necessidade de diversificação de fontes e preocupações ambientais.

O Brasil passa pela mais grave crise hídrica dos últimos 91 anos, o que tem levado a preocupações de um possível racionamento de energia em meio ao aumento dos preços.

Desde 2001, quando o Brasil foi forçado ao racionamento, o país vem diversificando suas fontes de geração, com maior investimento em termelétricas e fontes renováveis como solar e eólica, para reduzir a dependência das hidrelétricas.

“A energia hidrelétrica é o gigante esquecido da eletricidade limpa e precisa ser colocada de volta na agenda energética e climática se os países levarem a sério o cumprimento de suas metas de emissão zero”, disse Fatih Birol, diretor-executivo da agência.


Ele continua: “As hidrelétricas trazem escala e flexibilidade para ajudar os sistemas elétricos a se ajustarem rapidamente às mudanças na demanda e para compensar as flutuações na oferta de outras fontes”.


Na última semana, o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Carlos Ciocchi, também defendeu a volta dos investimentos de usinas hidrelétricas como forma de aumentar a segurança energética.

Fontes como eólica e solar, apesar de importantes, não trazem, segundo especialistas, segurança energética por não gerarem energia todo o tempo.

Polêmicas, as usinas hidrelétricas vêm enfrentando forte resistência ambiental na última década em especial em países como o Brasil.

Cerca de metade do potencial economicamente viável da energia hidrelétrica em todo o mundo é inexplorada hoje, diz a agência.

Em países em desenvolvimento, esse número chega a quase 60%. No ano passado, disse a agência, a energia hidrelétrica respondeu por um sexto da eletricidade.

Até 2030, a agência estima investimentos de US 127 bilhões em modernização de usinas
hidrelétricas, abaixo dos US$ 300 bilhões necessários.

Fonte: Valor https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:DPxG43z53eoJ:https://valor.globo.com/brasil/noticia/2021/06/30/agncia-internacional-de-energia-estimula-construo-de-hidreltricas.ghtml+&cd=3&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br&client=firefox-b-d

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *