Investimentos na matriz eólica superam R$ 187,1 bi na última década

Certel pretende iniciar construção de nova PCH no segundo semestre
21 de julho de 2021
Investimentos públicos em energia limpa estão longe da rota de descarbonização
21 de julho de 2021
Mostrar tudo

Investimentos na matriz eólica superam R$ 187,1 bi na última década

Quando o primeiro leilão de energia eólica foi feito no Brasil, em 2009, só 0,5% da
capacidade de geração de eletricidade do país tinha essa origem. Passados 12 anos, esse
percentual cresceu para 10,6%, com investimentos no país que somam US$ 35,8 bilhões entre
2011 e 2019, segundo os cálculos da Bloomberg New Energy Finance. A quantia corresponde a
R$ 187,1 bilhões em valores atuais.
Com esse crescimento, numa década em que o mundo se comprometeu em reduzir a emissão de
carbono, a matriz eólica se tornou uma fonte de energia competitiva no Brasil e tem a seu favor
o financiamento de bancos internacionais que buscam cumprir as metas do Acordo de Paris,
realizado em 2015.
Somente no Rio Grande do Norte, o estado que mais produz esse tipo de energia no Brasil hoje,
mais de R$ 15 bilhões foram investidos em parques eólicos.
O primeiro foi instalado pela Neoenergia em 2006, no município de Rio do Fogo, distante 80
quilômetros de Natal, com capacidade de 28 MW (megawatts). Hoje, o estado possui uma
capacidade de 5.266 MW instalados, em mais de 180 parques.
Além dos investimentos, empresas têm buscado cada vez mais adquirir energia gerada em
parques eólicos, de acordo com a presidente da Abeeólica (Associação Brasileira de Energia Eólica) Elbia Gannoum. Em 2020 , cerca de 3 GW foram comprados por companhias.

Dois fatores contribuem para isso: a perspectiva de uma energia mais limpa, com menos passivos ambientais, e o preço competitivo.

“Hoje a energia eólica é a mais barata do país. Por isso, a perspectiva é que os investimentos
aumentem nos próximos anos”, diz Gannoum.
Segundo a presidente da Abeeólica, o Brasil já está entre os países com as matrizes energéticas
mais limpas do mundo, mas o setor eólico continuará em expansão. Os investimentos até 2029
devem chegar a R$ 72,3 bilhões.
“O Brasil tem a melhor posição do mundo em energia porque é o país mais rico em recursos
renováveis”, diz ela.

a perspectiva é que essa energia passe a ser comprada de forma cada vez mais intensa pelas industrias movidas a combustíveis fósseis, que emitem carbono.

No entanto, o país precisa avançar se quiser reduzir ainda mais a emissão do poluente na
geração de energia, na opinião do pesquisador Mário Gonzalez, docente da UFRN (Universidade
Federal do Rio Grande do Norte).

Ele explica, por exemplo, que a própria indústria eólica precisa gerar carbono para fabricar os aerogeradores, que são feitos de aço.

“Algumas pesquisas buscam que, nessa fabricação do aço, não haja emissão de carbono. É uma emissão mínima, se compararmos com a indústria e a matriz de outros países, e mostra que ainda precisamos avançar”, afirma o professor, que é um dos de Trabalho de Energia Renovável dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

Fonte: Folha Uol https://www1.folha.uol.com.br/mpme/2021/07/investimentos-na-matriz-eolica-superam-r-1871-bi-na-ultima-decada.shtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *