O gigante esquecido: as hidrelétricas, escreve Adriano Pires

Conheça o carro elétrico mais barato do Brasil
14 de julho de 2021
Certel pretende iniciar construção de nova PCH no segundo semestre
21 de julho de 2021
Mostrar tudo

O gigante esquecido: as hidrelétricas, escreve Adriano Pires

Quando o assunto é energia renovável, a solar e a eólica vêm à mente de quase todo mundo. Nessa aparente movimentação de países e empresas para uma transição energética limpa, alguns protagonistas importantes, porém não populares aos olhos da mídia, são pouco discutidos. Além de Bill Gates, poucos falam sobre a energia nuclear. E, quando o assunto é água, só se fala na falta dela.

Remando contra a maré, a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) lançou um relatório contendo o 1º estudo do mundo a fornecer previsões globais detalhadas para 2030 considerando os 3 principais tipos de energia hidrelétrica: reservatório, fio d’água e instalações de armazenamento bombeado.

Hoje, as hidrelétricas são a principal fonte mundial de eletricidade de baixo carbono, produzindo mais do que todas as outras fontes renováveis combinadas. As usinas hidrelétricas forneceram 1/6 da geração de eletricidade global (seguindo o carvão e o gás natural) com quase 4.500 TWh –55% a mais do que a fonte nuclear, o 2º colocado no ranking de oferta de energia de baixo carbono. Porém, de acordo com o relatório, ainda existe uma grande quantidade de potencial hidroelétrico em todo o mundo que permanece inexplorado, apesar de ser economicamente viável.

A transição energética não será rápida e, muito menos, fácil. Cada país possui uma especificidade e todos precisam ter uma matriz energética diversificada. A produção de energia elétrica pela fonte solar fotovoltaica e eólica pode variar dependendo de fatores como o clima, a hora do dia ou do ano. A energia gerada por meio das hidroelétrica deve ser utilizada como apoio a essas flutuações.

De acordo com o relatório da IEA, será necessário elevar drasticamente as ambições de energia hidroelétrica para atingir o nível líquido zero até 2050. A agência apresenta diversos cenários para cumprir essa meta. De acordo com seus estudos, a expansão da capacidade hidroelétrica até 2030 precisaria ser 45% maior do que o caso acelerado em suas previsões.

Como disse o diretor executivo da IEA, Fatih Birol, “a energia hidrelétrica é o gigante esquecido da eletricidade limpa e precisa ser colocada de volta na agenda energética e climática se os países levarem a sério o cumprimento de suas metas líquidas zero“.

Nos últimos 15 anos, a participação da energia hidrelétrica na geração total de eletricidade permaneceu em torno de 16%. No entanto, segundo dados da IEA, com a expansão das instalações eólicas e solares, sua participação na geração global de eletricidade baseada em energias renováveis caiu de 92%, em 2005, para 61%, em 2020.

Embora menos de 30 países tenham hoje políticas voltadas para usinas hidrelétricas novas e existentes, dados sugerem que a energia vinda das hidrelétricas continuará a ser a maior fonte de geração de eletricidade de baixo carbono em todo o mundo na próxima década.

Espera-se que a geração de energia mundial por hidrelétrica se expanda 19% em 2021-2030, um crescimento de 850 TWh. Desse total, a China responderá por mais de 42% desse crescimento e a Índia, Indonésia, Paquistão, Vietnã e Brasil, juntos, contribuem com outros 21%. As usinas hidroelétricas reversíveis (UHR), que representa 1/3 das adições de capacidade projetadas, contribuem com 7% do aumento previsto na geração hidroelétrica bruta global até 2030.

Segundo o documento, o Brasil foi o maior produtor de hidroeletricidade em 2020, depois da China, e seguido pelo Canadá. Apesar de ter menos capacidade instalada, o Canadá superou os Estados Unidos graças a um fator de capacidade geral mais alto. Juntos, esses 4 países responderam por 55% da geração hidrelétrica global.

O Brasil é exemplo mundial de geração limpa e a ampla adoção de usinas hidrelétricas é um dos principais motivos. No entanto, a participação da fonte hídrica vem decrescendo ao longo dos anos. A hidroeletricidade, que representava 70% da matriz elétrica nacional em 2010, hoje (2020) tem participação de 65,2%.

No passado recente, o Brasil desperdiçou a oportunidade de construir suas hidroelétricas com grandes reservatórios de acumulação, priorizando a construção das usinas a fio d’água –usina hidroelétrica que utiliza reservatório com acumulação suficiente apenas para prover regularização diária ou semanal, ou ainda que utilize diretamente a vazão afluente do aproveitamento.

O potencial hidroelétrico brasileiro é estimado em 172 GW, dos quais mais de 60% já foram aproveitados, de acordo com a EPE (Empresa de Pesquisa Energética). No entanto, são muitos obstáculos para a implantação de novas hidroelétricas no país, sobretudo para as com reservatório de acumulação, em que pesa a questão ambiental. Fato que contribui para a morosidade do processo de licenciamento para novos empreendimentos.

Além disso, a construção de novas usinas, além de levar tempo, é intensiva em capital e apresenta diversos riscos regulatórios e ambientais. Qual seria então a solução para as nossas hidrelétricas?

O sistema elétrico nacional também está em transição. A redução da participação hidroelétrica na matriz deve-se a forte expansão das fontes renováveis intermitentes, como eólica, biomassa e solar. Contudo, parte das fontes intermitentes possui uma sazonalidade na geração, além de serem dependentes das condições climáticas, que mudam de ano para ano e são de difícil previsão. Soma-se a isso, a redução da capacidade de armazenamento, em função da opção pelas usinas com pequena ou nenhuma capacidade de regularização.

O sistema elétrico brasileiro precisa de revisão e planejamento adequado para se adequar aos novos tempos. A água, devido a seu uso múltiplo, não é e nem será mais a fonte mais barata para gerar energia elétrica no Brasil.

Precisamos garantir um nível mínimo de armazenamento nos reservatórios, e deslocar o uso do potencial de geração hidráulica para garantir as vazões mínimas, a sazonalização da oferta de energia para as demais renováveis e atendimento da ponta do sistema elétrico. Térmicas a gás natural com 70% de inflexibilidade, bem como nucleares passariam a ser parte da geração prioritária de base, sendo complementada por geração hidráulica de vazão mínima, eólica, solar, hidráulica a fio de água e por novas fontes como o biogás.

Portanto, as nossas hidrelétricas com reservatório precisam ser enquadradas em um modelo para operação capaz de refletir a nova realidade e o futuro da matriz.

Fonte: Poder 360 https://www.poder360.com.br/opiniao/energia/o-gigante-esquecido-as-hidreletricas-escreve-adriano-pires/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *