Renova (Cemig) dá preferência ao Mubadala na Brasil PCH

Investimentos públicos em energia limpa estão longe da rota de descarbonização
21 de julho de 2021
Safra dos ventos deve suportar a crise hídrica, preveem especialistas
28 de julho de 2021
Mostrar tudo

Renova (Cemig) dá preferência ao Mubadala na Brasil PCH

Renova Energia S.A. abriu edital de venda de 51% no capital da Brasil PCH S.A. O Mubadala (“MIC Capital Partners (Brazil Special Opportuities) (Scottis) GP, LLP”), fundo soberano de Abu Dhabi, terá preferência para igualar propostas ofertadas no leilão. Esse detalhe está no comunicado da companhia ao mercado desta terça (27/07).

A Cemig Geração e Transmissão (Cemig GT) controla 29,72% das ações do capital da Renova. O Grupo Cemig, controlado pelo Governo de Minas. A Cemig é objeto de CPI na Assembleia Legislativa, por conta do programa de alienação de ativos.


Renova pedia R$ 3 bilhões…

O fundo soberano, há algum tempo oferta R$ 2,4 bilhões. Mas, a Renova, conforme publicações persistentes, deseja captar R$ 3 bilhões. Entretanto, a companhia encara uma recuperação judicial desde 2019. Portanto, precisa fazer caixa para cumprir o plano apresentado à Justiça de São Paulo.

… e aprovou proposta de R$ 1,1 bilhão

Entretanto, no dia 21/07, a Renova aprovou proposta apresentada pelo Mubadala, de R$ 1,1 bilhão, conforme comunicado que fez à B3 (Brasil. Bolsa. Balcão).

A Renova receberá propostas de compra até o dia 11 de agosto.

Usinas negociadas pela Renova geram 291,5 MW

No conjunto, a Brasil PCH opera 13 pequenas centrais hidrelétricas (PCHs). Somam 291,5 megawatts (MW) em capacidade nominal de geração para. Crida em 2005, a Brasil PCH entrou em operação em 2006. Alguns ativos entram processo de revisão da concessão, de 30 anos, a partir de 2028.

As 13 hidrelétricas da Brasil PCH estão espalhadas por Minas Gerais (4), Espírito Santo (4), Rio de Janeiro (3) e Goiás (2). Dessas, Iara (GO) e São Pedro (ES), Santa Fé (RJ) e Jataí (GO) têm capacidades instaladas no limite da classe PCH, de 30 MW.

Brasil PCH investiu R$ 871 mi nas usinas

A Brasil PCH é controladora de 100% das usinas. Nas demonstrações financeiras, portanto, o conjunto é apresentado como “Grupo Brasil PCH”. Em dezembro, o patrimônio líquido da empresa estava em R$ 169 milhões. O total de investimentos nas controladas somavam R$ 871,4 milhões.

A empresa não teve receitas. As contas operacionais (R$ 12,2 milhões), então, foram suportadas na equivalência patrimonial, de R$ 377,8 milhões. Entretanto, o balanço apresentou lucro líquido de R$ 258 milhões.

PCHs têm patrimônio de R$ 919 milhões

No conjunto, em 31 de dezembro de 2020, as usinas somavam patrimônio líquido de R$ 919,1 milhões. Os ativos circulante (R$ 91,807 milhões – 2021) e não circulante (R$ 1,024 bilhão), portanto, previsões de receitas, totalizavam, R$ 1,115 bilhão. Os passivos, eram de R$ 203,5 milhões, sendo R$ 162,2 milhões no circulante – compromissos para 2021.

SF 369 representa Mubadala

O Mubadala participa nas tratativas via SF 369 Participações Societárias S/A. A SF 369 (CNPJ 42.587.182/0001-99) foi criada no dia 05/7, há três semanas, portanto. O comunicado da Renova apresenta a empresa como “afiliada da Mubadala Consultoria Financeira e Gestora de Recursos Ltda”.

A Mubadala Consultoria foi criada em 09/12/2013. Tem sede no bairro do Leblon, no Rio de Janeiro, e capital social de R$ 63.957.798,03. Entre os seus administradores figuram Fifty Seventh Investment Company Llc (Emirados Árabes Unidos) e Duplex Acquisition Vehicle Limited (Ilhas Virgens Ilhas Britânicas).

A SF 369, por sua vez, está na Barra da Tijuca e apresenta capital social de R$ 400,00. Os controladores são Luís Guilherme de Souza Silva e Lawrence Santini Echenique.

Fonte: além do fato https://alemdofato.uai.com.br/economia/renova-cemig-da-preferencia-ao-mubadala-na-brasil-pch/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *